Pular para conteúdo Pular para menu de navegação
Voltar

Novidades

Cuidados com as diferentes peles

Protetor solar para o dia a dia e para cada pele


É incontestável que algumas mudanças climáticas, como poluição, aumentam os danos em relação à radiação UV (radiação ultravioleta), inimiga natural da pele. Além de danificar o DNA e aumentar o risco de câncer, altera o seu tecido, sendo, portanto, um dos principais fatores para o envelhecimento precoce.


Muito além da proteção solar nas férias, os novos padrões de protetores solares abrangem o cuidado no dia a dia, bem-estar e necessidades específicas de cada consumidor. Cenário que favorece a criação de produtos cada vez mais eficazes para combater os malefícios do sol a todo tipo de pele.


De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), 70% da radiação solar recebida durante a vida é adquirida em ações cotidianas. Somente 30% é obtida durante o lazer. No entanto, as pessoas só se lembram de aplicar o protetor quando vão à praia, ao parque ou a piscina. Uma pesquisa da SBD, divulgada durante o ‘Dezembro Laranja’ de 2019, mostrou que mais de 60% dos brasileiros se expõem ao sol sem qualquer proteção.


Uma das razões para o alto índice de pessoas que não se protegem adequadamente do sol pode estar no fato de se sentirem desconfortáveis com a sensação de oleosidade e pele grudenta ao usar o produto. Por isso, ao desenvolver novos protetores é muito importante considerar filtros com sensoriais agradáveis, além de combinações corretas de filtro, emolientes apropriados e bases ideais de formulação para respeitar as diferenças de pele.


A tendência é priorizar os tipos de pele


Por muito tempo, o consumidor, em busca de qualidade e eficiência, aceitou soluções padronizadas que muitas vezes não atendiam as suas necessidades, simplesmente por serem as únicas opções disponíveis na prateleira. Entretanto, essa realidade mudou. Com mais autonomia e poder para influenciar novas ofertas de mercado, os consumidores entenderam que podem exigir soluções customizadas, pensadas para os diferentes estilos e perfis.


No caso de produtos para proteção solar não é diferente, pessoas com diferentes tons e características de pele buscam por produtos que atendam às suas particularidades. E essa tendência sinaliza uma oportunidade aos fabricantes de protetores - disponibilizar produtos mais convenientes, tecnológicos e seguros para o consumidor e para o meio ambiente.


O que pede a pele negra


Os produtos para a pele negra ganham cada vez mais espaço no mercado. Se antes pairava alguma dúvida sobre a proteção solar para esse fototipo, hoje, só há certezas. Quem tem pele negra deve usar protetor solar todos os dias para se proteger de manchas e do câncer de pele.


A mesma característica que torna a pele negra mais resistente à exposição ao sol, a melanina em abundância acaba colaborando para o surgimento de manchas, como o melasma. Por isso, o FPS 30 é o mínimo indicado para proteger de queimaduras, manchas e do câncer de pele.


Um tópico importante é a fórmula ideal para cada tipo de pele - seca a normal e mista a oleosa. A textura deve variar de acordo com cada tipo de pele. É fundamental que as marcas se atentem a essas características e ofereçam produtos com poder de hidratação para pele mais seca, e mais suave para pele oleosa, o que vai garantir a sensação de bem-estar e estimular o uso do protetor solar no dia a dia.


Outro aspecto relevante é oferecer protetor solar com cor para ampliar o conforto, principalmente para peles com manchas, acne, foliculite e transtornos pigmentares. O produto produzido com os ingredientes certos ajuda a evitar a piora desses problemas.


Desenvolver o produto adequado para cada tipo de pele é a coisa certa a fazer, já que atende às necessidades do consumidor e desponta como potencial de crescimento. De acordo com a Euromonitor, o mercado brasileiro de proteção solar apresenta perspectivas otimistas; a previsão é que as vendas cheguem a R$ 6,55 bilhões em 2023, com uma média de crescimento anual em torno de 3,3%.


Resta aos fabricantes contarem com matérias-primas de alta tecnologia e qualidade para produzirem opções adequadas e que melhorem os resultados. Agindo assim, a indústria ainda pode contribuir de forma efetiva para uma mudança de comportamento essencial, a proteção solar diária. Ajudar as pessoas a aproveitarem somente os aspectos positivos do sol, sem riscos e perigos.


E para ajudar nesse desafio, a BASF tem investido todo o seu conhecimento científico para atender às necessidades que os protetores solares atuais devem satisfazer: fornecer segurança confiável contra os diferentes raios UV e favorecer a fabricação de protetores com um sensorial particularmente agradável, o que contribui para estimular o uso diário.


Os benefícios tecnológicos do Tinosorb® A2B ilustram os investimentos científicos. Apresentam aumento de FPS de maneira segura e eficaz, e redução da quantidade de carga oleosa dos protetores, o que melhora o sensorial. O objetivo é ajudar os clientes - marcas cosméticas - a acompanharem com velocidade e eficiência as mudanças no mercado de cuidados pessoais, em resposta às exigências do consumidor.

Matéria de Jacqueline Lucchesi

Confira aqui as soluções da BASF para Proteção Solar 360º