Pular para conteúdo Pular para menu de navegação
Voltar

BASF Natural 2.0

Ingredientes orgânicos basf utilizados nas formulações para shampoos e condicionadores

As gerações conhecidas como Millenials e Z, que compreendem jovens entre 21 e 27 anos, são questionadoras e procuram abraçar causas relevantes, agindo com propósito e responsabilidade. Em grande parte, esse perfil nasce de uma visão global e do fato de estarem sempre conectados. E a indústria de cosméticos precisa estar atenta, eles acreditam que as empresas têm que ser acessíveis, únicas e, acima de tudo, éticas. O que os move é a transformação.

Essa visão disseminada pelos mais jovens hoje atinge boa parte dos consumidores. Com o bombardeio de informações, as pessoas se tornaram mais exigentes e preocupadas com questões complexas sobre o impacto dos produtos na saúde e no meio ambiente. Nasce assim sua busca por marcas que demonstrem cuidados e preocupação com a qualidade, e que façam a diferença.

Nessa perspectiva cresceu a preocupação com a alimentação e surgiram tendências como produtos sem conservantes, sem corantes, sem glúten, sem lactose, e outras. Em pouco tempo essa mentalidade chegou também à indústria cosmética e tudo o que ela oferece, e começaram a surgir os produtos “free from”, livres de ingredientes controversos, que interessam a 26% dos brasileiros, segundo um estudo da Mintel, empresa global de pesquisa de mercado.

No caso dos shampoos, o consumidor não busca apenas saúde, mas um resultado mais suave. Primeiro, reprovou a adição de sal no produto, em seguida questionou outros componentes utilizados há muito tempo: sulfato, parabeno, conservante, silicone, entre outros. Eles se tornaram vilões, com efeitos considerados catastróficos. E assim alguns componentes acabaram sendo banidos das formulações por motivos científicos, outros foram rejeitados pelo mercado.

Trends Natural Picture 1

Fonte: Mintel GNPD – Novos produtos lançados com o claim Sulfate-free de 2012 a 2017.

Atualmente, a tendência para os cabelos revela um desejo naturalista: quanto mais natural o cabelo, mais bonita a mulher se sente. As pessoas aceitam com mais tranquilidade suas características individuais, têm orgulho de mostrá-las ao mundo sem vontade de escondê-las, o que contribui também para a saúde dos fios.

Trends Natural Picture 2

Fonte: Pesquisa Nielsen realizada em 2017 “O que as mulheres preferem?”

Como tecnologia e inovação sempre estiveram no DNA da BASF, ao perceber essa forte mudança de comportamento, a empresa começou a buscar soluções que atendessem a necessidades, demandas e anseios das empresas de cosméticos e, consequentemente, dos consumidores.

Por isso, o portfólio da BASF tem uma grande quantidade de emolientes, emulsificantes, ativos e ingredientes de origem vegetal. Há anos a BASF já havia optado pelos ingredientes orgânicos, com selos das principais certificadoras do mercado europeu. Mesmo não havendo ainda uma regra da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que defina o que é natural ou orgânico, ou livre de testes em animais (cruelty free), a BASF está focada em acompanhar as informações sobre o tema e em adiantar-se nesses assuntos delicados e importantes para o mercado, permitindo que a indústria de cosméticos respeite o consumidor e o meio ambiente, com segurança, qualidade e excelência.

A população mundial também tem outra preocupação: o fim do uso de animais na realização de testes com produtos. O conceito “cruelty free” é uma diretriz da BASF considerada regra. A organização tem uma divisão que estuda métodos alternativos e investe constantemente no desenvolvimento de tecnologias para o mercado como um todo. A tendência vegana chega para dar continuidade a essa postura, em um movimento mais recente. Não existe regulamentação ou selo de qualidade para essa diretriz, mas a empresa procura entender detalhadamente o conceito para encontrar ingredientes alinhados com ele.

Na visão da BASF, há alguns fatores que devem intensificar esta tendência mundial: a velocidade de circulação das informações, a conscientização do consumidor (e sua capacidade crítica) e a evolução da capacidade de questionar processos e produções, visando à melhoria de tudo: mundo, ambiente, saúde e estilo de vida. Que esse comportamento vire um hábito, porque nos levará, consequentemente, a um mundo melhor.