Voltar

BASF Cuidados com a casa

O que é ANTIBAC? Entenda melhor deste efeito na limpeza doméstica

O cuidado com os ambientes, roupas e utensílios exige a limpeza frequente, não só por conta da aparência e conforto, mas também por questões de higiene e saúde. Porém, há diferença entre limpeza e higienização. A limpeza consiste na remoção da sujeira visível, aparente ou sensível ao toque. Já a assepsia ou desinfecção é a remoção ou controle dos microrganismos. Na limpeza do dia a dia, a higienização e assepsia são muitas vezes deixadas para segundo plano. No entanto, a falta delas é justamente a causadora do mal cheiro, alergias, alteração de cor, manchas e, em estágio avançado, desenvolvimento de doenças e infecções.

“Em higiene e limpeza doméstica, tem crescido nos últimos anos, o que chamamos de estágio além da limpeza, ou seja, higienização e assepsia”, considera Luiz Antonio M. da Silva, expert em desenvolvimento técnico do negócio de Home Care, da BASF. “Essa propriedade é oferecida por produtos que associem este benefício ao efeito de limpeza em si, seja nos detergentes lava-roupas, amaciantes, lava-louças, limpadores, entre outros produtos, garantindo maior praticidade e segurança”.

Segundo Luiz Antonio, entre as diversas classes de agentes antimicrobiais, destacam-se pela sua importância os destinados à eliminação e/ou controle da flora bacteriana, geralmente chamados de agentes “antibac”. O termo “antibac”, abreviação de “antibacterial”, pode estar associado à ação bactericida, quando ocorre eliminação total da flora bacteriana ou a ação bacteriostática, quando ocorre a inibição de seu crescimento, mantendo-a em estado vegetativo, sem multiplicação além de determinado nível exponencial.

Ainda que o efeito de desinfecção ou bactericida, comumente chamado “knock down” seja o desejado, pois elimina-se totalmente a flora microbiana, seu controle e inibição perde-se ao longo do tempo devido a diversos fatores, dentre os quais, a decomposição do ativo e o baixo efeito residual. Derivados de cloro, álcoois, peróxido de hidrogênio, glutaraldeído e sais de amônio quaternário são excelentes agentes “knock down”, com pronunciado efeito bactericida, mas de forma geral sem propriedades de longa duração ou também chamado efeito “long lasting”.

Os ativos com efeito bacteriostático proporcionam o desejável efeito “long-lasting”, através de sua maior estabilidade nas formulações e substantividade nos substratos e superfícies. Destacam-se neste grupo as sulfonamidas, oxazolidinones, fenoxifenóis clorados, dentre eles a molécula “diclosan”. O mecanismo de ação desse tipo de ativo geralmente está associado à inibição da síntese de proteínas que consequentemente impede a multiplicação celular.

A aplicação destes ativos principalmente em produtos da categoria roupas, como detergentes e amaciantes permite, não só a inibição do crescimento bacteriano (efeito bacteriostático), mas também efeito bactericida. Essa propriedade foi demonstrada em estudos seguindo os padrões AATCC (American Association of Textile Chemists and Colorists): as amostras de tecidos de algodão lavadas com detergente contendo o ativo diclosan a 0,5% mostraram redução de até 99,9% da flora bacteriana, mesmo após lavagens sucessivas e semanas de armazenamento, comprovando assim a substantividade entre as lavagens. A conclusão do estudo é que o uso de ativos de efeito bacteriostático tipo diclosan é uma excelente opção para posicionamento “antibac” em produtos de limpeza.